quarta-feira, 21 de março de 2012

CIRCUITO DA FONTE PFC LG 32LB9RTA PARTE 2

Dando continuidade ao nosso estudo sobre esta fonte vamos passar para um circuito que é desconhecido por muitos e vem sendo empregado em quase todos os equipamentos modernos, atendendo a uma norma internacional.
Como a maioria dos produto eletrônicos comercializados no país tem sua origem do mercado externo, os mesmos já vem com tal tecnologia incorporada.
Estou me referindo a um circuito chamado fonte PFC.



2º CIRCUITO - FONTE PFC PARTE - I


Click na imagem para ampliar


Primeiramente devemos definir o que é PFC (Power Factor Correction) - Correção do Fator de Potência.


Em circuitos de corrente alternada (AC), temos a Potência Aparente (KVA) que é aquela que consumimos da rede elétrica. Potência Ativa (KW) que é aquela realmente utilizada para realizar trabalho, temos também a Potencia Reativa que é aquela energia armazenada e devolvida a fonte geradora (esta energia existe para o trabalho de retificadores industriais e campos magnéticos e outros).


O Fator de potência é dado pela divisão da Potência ativa pela Potência Aparente.


O Fator de Potência é um número compreendido entre 0 e 1, que representa o percentual de aproveitamento da energia consumida.


Exemplo:       
470watts / 600VA = 0,78

FP = 0,78 ou 78% de eficiência.   

Isto significa dizer que nosso equipamento está  consumindo da rede 600VA mas só está transformando em trabalho 470watts.

O fator de potência está relacionado diretamente com o tipo de carga, que pode ser:



  • Resistiva : Numa carga resistiva a tensão e a corrente estão em fase, neste caso a potência ativa consumida na carga é igual a potência aparente (fornecida pela rede) com isso temos 100% de eficiência.


  • Capacitiva ou Indutiva: A corrente está defasada em relação a tesão, neste caso temos uma potência ativa menor que a potência aparente. Quanto maior for essa defasagem menas eficiência terá nosso circuito elétrico. 

Quando temos um baixa fator de potência significa que estamos desperdiçando energia pois, apenas parte desta energia será realmente utilizada.

Neste tipo de situação, em que temos apenas o deslocamento de fase entre tensão e corrente, chama-se "Fator de potência de Deslocamento" e pode ser compensado com o uso de bancos de capacitores (circuitos indutivos) e banco de indutores (circuitos capacitivos) .

Esta técnica é chamada de CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA.

Sem essa correção as usinas geradoras precisariam aumentar  em muito o fornecimento de energia para compensar as perdas  causadas pelo baixo fator de potência.

Agora estamos próximos a entender o conceito das FONTES PFC, falta apenas um detalhe: 

As fontes chaveadas em geral possuem circuitos retificadores seguidos de capacitores, que a cada instante se carregam fazendo com que a corrente se torne bastante elevada e causando uma distorção na sua forma de onda. Neste caso você tem um fator de potência também distorcido, sendo necessário um meio mais eficaz para corrigi-lo.

Equipamentos modernos como Computadores, TV's de PLASMA, LCD, LED e muitos outros passaram a incorporar FONTES PFC, visando corrigir tais deficiências e minimizar assim os efeitos causados pelo baixo fator de potência.

Na segunda parte deste artigo passaremos a falar efetivamente sobre nossa fonte e como ela funciona, até la   e um abraço a todos!




2 comentários:

  1. muito bom!Parabens!

    ResponderExcluir
  2. estamos anciosamente aguardando a conclusão do artigo, "como a fonte funciona..

    obrigado
    maurilio

    ResponderExcluir

Gostou deste artigo? então, deixe aqui seu comentário.